quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Gestos


Aviso: Conteúdo reservado a maiores de idade




Rasguei os meus versos, já não os sabia rimar. Mas nunca soube rasga-las a elas. As palavras.

Rasguei sonhos e paixões pela contingência dos prazeres momentâneos, dos dias iguais, das obrigatoriedades que nunca o foram. Se já fui demasiado nada, tornei-me demasiado tudo.

A almofada já não me conhece as formas. O leito sente-me estranha. E só tu permaneces.

Tu que vieste com palavras. Que chegaste ao som delas. E as viste dissipar com o tempo, lentamente, o nevoeiro.

Rasguei, destruí, abati tudo. Menos a ti.
Tu que pareces inteiro, mesmo partido. Tu que pouco mais tinhas a arruinar. Tu que cambaleias pelos meus dias como o destroço do homem que sempre vi. Do homem que amo. Do homem que me faz correr o sangue nas veias, o ar nos pulmões.

Tu. O homem que me amou pelas palavras. Que as viu calar-se, mas aqui ficou.

Tu, que quando cai o silêncio, me puxas, me agarras, na força dos gestos que arrepiam. Tu que me marcas os dedos na pele, que quase me sangras, que quase magoas, que quase confortas. Que amas em pleno.

Rasgas-me a roupa como eu havia rasgado os versos. Rasgas-me a alma como se rasgam as rimas. Rasgas-me o corpo como a folha de papel em que um dia escrevi.

Não conheço o leito, nem a almofada onde me fazes prostrar, mas conheço-te a ti. Conheço-te os gestos, o puxão no cabelo, o braço arranhado, a mão no rabo. Conheço-te o silêncio de quem ama as palavras, mas tem de as calar. Conheço-te a respiração acelerada, a força, a ânsia de dominar. Conheço-te a violência que me penetra, a meiguice que me toma, o alívio no suspiro com que descarregas em mim as dores de uma existência.

Conheço-te a entrega.

Desde sempre, desde que as encontraste, desde que as calaste. As palavras.

6 comentários:

  1. Gosto tanto disso, dessa intensidade.

    ResponderEliminar
  2. Cuidado contigo, menina Carolina, sabes escrever :)

    ResponderEliminar
  3. Isto para ti é hardcore? ... Para maiores de idade? És patética. E muito muito infantil.
    Joana Lemos, Porto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se sabes, mas o simples facto de ser sexual basta para os conteúdos serem reservados a adultos. Não é necessário ser hardcore e nem nunca me viram definir este texto como tal.


      O resto não vale a pena responder. Sou tão patética e infantil quanto alguém que tem consciência que podem vir crianças de 10 anos ler isto. Este texto é suficientemente familiar para elas, acredito ;)

      Eliminar

Comentários são sempre bem vindos!